Sistema Eletrônico de Administração de Conferências ANCIB, XXII ENCONTRO NACIONAL DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO EM CIÊNCIA DA INFORMAÇÃO

Tamanho da fonte: 
A MEMÓRIA DAS BIBLIOTECAS PÚBLICAS BRASILEIRAS E A PERSPECTIVA DECOLONIAL
Daniele Achilles Dutra da Rosa, Maria Lúcia Gonçalves, Ruylon Calheiros Peixoto

Última alteração: 2022-12-09

Resumo


Enfatiza o enquadramento da biblioteca pública na perspectiva da colonialidade do poder, do saber e do ser. Aponta para a construção de narrativa sobre o conceito de biblioteca pública que conforma não só a organização social, mas as práticas dos sujeitos, bem como a história e memória dessas instituições. Aborda as relações entre colonialidade e decolonialidade e, a partir, da pesquisa social, de cunho teórico, com delineamento qualitativo e uso da pesquisa bibliográfica como procedimento metodológico propõe a desconstrução das camadas que compõem a memória do conceito biblioteca pública. Nesse sentido, o texto se coloca a partir da abordagem decolonial, reunindo alinhamentos que alertam para uma reflexão primeira sobre como a constituição da biblioteca pública no Brasil se deu a partir do emaranhado da colonialidade, repleto de heranças eurocêntricas, de funções e usos pautados na cultura do privilégio, permeados pelo racismo estrutural imposto e praticado até hoje. Conclui que propor a descolonização da memória do conceito biblioteca pública é desvelar outros modos de ler a história e a memória dos sujeitos, bem como dessas instituições. E, para, além disso, produzir uma iniciativa reflexiva sobre o tema.

Palavras-chave


Biblioteca Pública Brasileira - Memória; Biblioteca Pública - Colonialidade; Biblioteca Pública – Descolonização – Conceito

Texto completo: PDF