Sistema Eletrônico de Administração de Conferências ANCIB, XXI Encontro Nacional de Pesquisa e Pós-Graduação em Ciência da Informação

Tamanho da fonte: 
MAPEAMENTO CULTURAL: POTÊNCIA E LIMITE DE UMA POLÍTICA INFOCULTURAL
Eduardo Augusto Sena, Marco Antonio de Almeida

Última alteração: 2021-12-07

Resumo


O texto analisa iniciativas de mapeamento cultural na cidade de São Paulo. Procura compreender estes processos no âmbito das ações e políticas culturais ao discutir a maneira pela qual o poder público municipal e os coletivos e movimentos culturais da cidade de São Paulo se utilizam das informações acerca dos territórios e de suas populações para o planejamento e a implementação de suas ações, por meio da análise de plataformas de dados culturais. A abordagem da pesquisa é quali-quantitativa, trazendo uma breve reflexão teórica acerca da bibliografia relacionada ao tema, e pesquisa em fontes diversas, como as próprias plataformas, agregando também dados secundários produzidos por pesquisas de diversas instituições. Busca-se discutir aspectos relacionados ao enraizamento social das tecnologias, à apropriação e construção coletivas do conhecimento diante de desigualdades sociais expressas nos territórios. Conclui-se que a disputa pela internet é uma disputa tecnopolítica, pela formação de opiniões e valores: a participação política nas redes, sua apropriação e incorporação ao cotidiano presencial é estratégica e fundamental para a construção de uma democracia efetiva, que permita o acesso e a distribuição da cultura e do conhecimento socialmente produzidos. Destaca-se, assim, a necessária utilização das redes e a inclusão digital dos cidadãos para fomentar projetos democráticos, que ofereçam alternativas e permitam construir acordos e estruturas colaborativas locais com tecnologias abertas e soberania de dados.


Texto completo: PDF